Parasito 2

Classified in Other subjects

Written at on English with a size of 10.58 KB.

 

ENTEROBÍASE ou Oxiuriase: Enterobius Vermiculares: Parasita exclusivo humano; Morfologia: Cor branco leitosa e cilíndrico (filiformes) com cerca de 1 cm; Possui Dimorfismo sexual sendo o macho menor do que a fêmea e possui a extremidade posterior enrolada.Ambos possuem uma estrutura localizada na cabeça denominada Asas cervicais, possuem três lábios em sua boca.Habitat:

Habitam o Ceco dos humanos e também o apêndice,Pode infectar também a região genital de ambos os sexos;Ciclo Biológico: É do tipo monoxênico; após a cópula, os machos são eliminados com as fezes e morrem. As fêmeas, repletas de ovos, se desprendem do ceco e dirigem-se para o ânus (principalmente à noite). Alguns autores suspeitam que elas realizem oviposição na região perianal, mas a maioria afirma que a fêmea não é capaz de fazer postura dos ovos; os mesmos seriam eliminados por rompimento da fêmea, devido a algum traumatismo ou dissecamento. Fêmea Ovovípara;
Ovo embrionado- Boca- Intestino Delgado: rompe-se a membrana liberando a - Larva que Migram para o - Intestino grosso onde irá ocorrer a maturação dos vermes

Transmição:

Pode ser Direta ou auto infecção externa : Anus-Mãos-Boca; Indireta: Ovo-Água ou alimentos - Boca; Auto Infecção interna:Liberação de ovos no Intestino grosso; Retro Infecção: Ovos presentes na margem anal migram para o Intestino Grosso até o ceco;Sintomas: Diretamente relacionados com a carga parasitária.Processo inflamatório agudo do intestino; Aalteração mais intensa e mais freqüente é o prurido anal,Tenesmo. Diagnostico:Clinico(prurido anal);Laboratorial: O melhor método de Graham caso a fêmea já tenha realizado postura,se não é recomendado o HTJ;Epidemiologia: Essa helmintose tem alta prevalência nas crianças em idade escolar. E de transmissão eminentemente doméstica ou de ambientes coletivos fechados Profilaxia: Lavar a roupa de cama diariamente com água fervente; Higiene pessoal; Tratamento de todas as pessoas parasitadas da família;Destino adequado das fezes; Tratamento: Albendazol; Ivermectina Não é Geohelminto

TENÍASE:(Classe Cestoda)

Presença da forma adulta da T. solium ou da T. saginata no intestino delgado dos humanos;Morfologia: Corpo achatado dorsoventralmente em forma de fita, dividido em escólex(cabeça,Órgão de fixação), colo(pescoço), estróbilo(corpo); Proglotes são divididas em jovens/imatura e gravídicas/maduras de acordo com sua posição em relação a cabeça;Aparelho Digestivo incompleto ou ausente,ausência de sistema circulatório e simetria bilateral;Cor branca leitosa com extremidade anterior bastante afilada de difícil visualização; Os ovos são esféricos e morfologicamente indistinguíveis com dupla menbrana radiada e resistentes ao ambiente;Diferenças Morfológicas: A T. solium(ou Armada) possui o escólex globuloso com um rostelo ou rostro situado em posição central, entre as ventosas, armado com dupla fileira de acúleos,seus proglotes saem passivamente com as fezes em grupos ,Pode levar a cesticercose humana; A T. saginata tem o escólex quadrangular, sem rostelo e acúleos e seus proglotes saem ativamente no Intervalo das defecações individualmente,Ramificações Dicotômicas(laterais);Habitat: Intestino Delgado,Hospedeiro Intermediário:Porco(T.Solium, possui cesticercose) e Boi(T.Saginata);Hospedeiro Definitivo:Homem(Possui teníase);Formas de contaminação:Ingestão de carne de porco ou boi contaminada crua ou mal cozida;Ciclo Biológico: Homem Infectado-elimina proglote nas fezes que libera - ovos que contaminam - H2O e Alimentos que são ingeridos por -Porco ou Boi parando no ID onde desenvolve-se a - Larva(cisticerco) que penetra na - Mucosa e cai na - Corrente Sanguinea indo parar na - musculatura(cesticercose) que é ingerida pelo homem contaminando-o. Sintomas: Tonturas, astenia, apetite excessivo, náuseas, vômitos, alargamento do abdômen, dores de vários graus de intensidade em diferentes regiões do abdômen e perda de peso são alguns dos sintomas observados em decorrência da infecção. Patogenia: Devido ao longo período em que a T.solium ou T.saginata parasita o homem, elas podem causar fenômenos tóxicos alérgicos, através de substâncias excretadas, provocar hemorragias através da fixação na mucosa, destruir o epitélio e produzir inflamação com infiltrado celular e Ação Espoliativa,Ação Irritativa e Ação Toxica.
Diagnóstico:
Relatos, como procedência do paciente, criação inadequada de suinos, hábitos higiênicos, serviço de saneamento básico, qualidade da água utilizada para beber e irrigar hortaliças, ingestão de carne de porco malcozida, relato de teníase do paciente ou familiar, são relevantes.Para o diagnóstico específico, há necessidade de se fazer a "tamização" (lavagem em peneira fina) de todo o bolo fecal, recolher as proglotes existentes e identifica-las pela morfologia,Método HPJ(para os ovos nas fezes) e o exame macroscópico das fezes;Profilaxia: Destino Adequado das fezes,Inspeção em abatedouros,Correto preparo dos alimentos,evitando consumir carnes mal passadas;Tratamento: Praziquantel

CISTICERCOSE:Teníase e a cisticercose são duas entidades mórbidas distintas, causadas pela mesma espécie, porém com fase de vida diferente. A teníase é uma alteração provocada pela presença da forma adulta da Taenia solium ou da T. saginata no intestino delgado do hospedeiro definitivo, os humanos; já a cisticercose é a alteração provocada pela presença da larva (vulgarmente denominada canjiquinha) nos tecidos de hospedeiros intermediários normais,respectivamente suínos e bovinos. Na teníase, como em outras parasitoses intestinais humanas, observam-se manifestações generalizadas do aparelho digestório, nervoso,deficiências nutricionais e, algumas vezes, mudanças comportamentais; A infecção humana ocorre pela ingestão de carne crua ou malcozida de porco ou de boi infectado. O cisticerco ingerido sofre a ação do suco gástrico, evagina-se e fixa-se, através do escólex, na mucosa do intestino delgado, transformando-se em uma tênia adulta, que pode atingir até oito metros em alguns meses. Três meses após a ingestão do cisticerco, inicia-se a eliminação de proglotes grávidas.Forma de contaminação:A cisticercose humana é adquirida pela ingestão acidental de ovos viáveis da T. solium que foram eliminados nas fezes de portadores de teníase. Modos de Infecção: Auto-infecção externa: ocorre em portadores de T.solium quando eliminam proglotes e ovos de sua própria tênia levado-os a boca;Auto-infecção interna: poderá ocorrer durante vômitos ou movimentos retroperistálticos do intestino, possibilitando presença de proglotes grávidas ou ovos de T. solium no estômago. Estes depois da ação do suco gástrico e posterior ativação das oncosferas voltariam ao intestino delgado,desenvolvendo o ciclo auto-infectante. Heteroinfecção: ocorre quando os humanos ingerem alimentos ou água contaminados com os ovos da T. solium disseminados no ambiente através das dejeções de outro paciente. O cisticerco da T.solium é encontrado no tecido subcutâneo,muscular, cardíaco, cerebral e no olho de suínos e acidentalmente em humanos.
Patologia: A cisticercose muscular ou subcutânea pouca alteração provoca e em geral é uma forma assintomática. Os cisticercos aí instalados desenvolvem reação local, formando uma membrana adventícia fibrosa. Com a morte do parasito há tendência a calcificação. Quando numerosos cisticercos instalam-se em músculos esqueléticos, podem provocar dor, fadiga e cãibras (quer estejam calcificados ou não), especialmente quando localizados nas pernas, região lombar e nuca.No tecido subcutâneo, o cisticerco é palpável, em geral indolor e algumas vezes confundido com cisto sebáceo. Diagnostico: Relatos, como procedência do paciente, criação inadequada de suinos, hábitos higiênicos, serviço de saneamento básico, qualidade da água utilizada para beber e irrigar hortaliças, ingestão de carne de porco malcozida, relato de teníase do paciente ou familiar, são relevantes.

Entradas relacionadas: